DISCOGRAFIA

08. FADO DAS ÁGUAS

(Letra de Mário Raínho e Música de Alfredo Marceneiro)

 

Dentro do rio que corre
No leito da minha voz
Há uma saudade que morre
Dentro do rio que corre
Em lágrimas até á foz

 

Dentro do mar mais profundo
Reflectido em meu olhar
Não pára o pranto um segundo
Dentro do mar mais profundo
No meu rosto a desmaiar

 

Dentro das águas nascentes
Das fontes que a alma encanta
Num crescendo de correntes,
Dentro das águas nascentes
Correm mágoas p’la garganta

 

Dentro da chuva caída
Como franjas do meu fado
Eu encharco a minha vida
Dentro da chuva caída
Meu canto é d’aguas lavado

 

Eu encharco a minha vida
Dentro da chuva caída
Como franjas do meu fado


[x]