DISCOGRAFIA

04. DIA DE FOLGA

(Letra e Música de Jorge Cruz)

 

Manhã na minha ruela, Sol pela janela 

O Sr. jeitoso dá tréguas ao berbequim 

O galo descansa, ri-se a criança

Hoje não há birras, a tudo diz que sim 

O casal em guerra do segundo andar 

Fez as pazes, está lá fora a namorar

 

Cada dia é um bico d’obra

Uma carga de trabalhos, faz-nos falta renovar 

Baterias, há razões de sobra

Para celebrarmos hoje com um fado que se empolga

É dia de folga! 

 

Sem pressa de ar invencível, saia, saltos, rímel 

Vou descer à rua, pode o trânsito parar

O guarda desfruta, a fiscal não multa

Passo e o turista faz por não atrapalhar 

Dona Laura hoje vai ler o jornal

Na cozinha está o esposo de avental 

 

Cada dia é um bico d’obra

Uma carga de trabalhos, faz-nos falta renovar 

Baterias, há razões de sobra

Para celebrarmos hoje com um fado que se empolga

É dia de folga! 

 

Folga de ser-se quem se é

E de fazer tudo porque tem que ser 

Folga para ao menos uma vez

A vida ser como nos apetecer 

 

Cada dia é um bico d’obra

Uma carga de trabalhos, faz-nos falta renovar 

Baterias, há razões de sobra

Para a tristeza ir de folga e o fado celebrar 

 

Cada dia é um bico d’obra

Uma carga de trabalhos, faz-nos falta renovar

Baterias, há razões de sobra

Para celebrarmos hoje com um fado que se empolga

É dia de folga 

 

Este é o fado que se empolga 

No dia de folga!


[x]